Sites para advogados: Por onde começar?

Sites para advogados: Por onde começar?

Você já deve ter lido alguns textos que apontavam todos os itens que bons sites para advogados devem ter. Mas o nosso papo de hoje é sobre como dar o passo inicial para construir o seu site. E para isso você vai precisar focar no seu cliente potencial!
A internet mudou muito a forma com que nos relacionamos com marcas e serviços. O primeiro contato que um cliente tem com o seu nome e seu escritório pode até acontecer de forma offline, mas é no mundo virtual que ele vai ter acesso a informações do seu serviço e saber mais sobre seus trabalhos. Além, é claro, de verificar o que outras pessoas estão falando sobre você e até mesmo interagir com sua marca antes de virar, de fato, um cliente. É nesse momento que bons sites para advogados podem fazer a diferença e serem decisivos para captar clientela nova.
Para que isso aconteça, é importante ir além das questões técnicas, como design e informações básicas, e entender com quem você está falando. Colocar-se no lugar do cliente e compreender o que ele está buscando quando digita no Google o nome do seu escritório, pode guiar você na hora de escolher o modelo ideal para seu site.
Quer sair da teoria e partir para a prática? Confira as dicas que preparamos para você conquistar novos clientes e mostrar ao mundo o diferencial do seu trabalho.

Cuidado com a linguagem

Para quem é da área da advocacia, o juridiquês já é a segunda língua. É provável que você já tenha visto alguns sites de colegas de profissão com uma linguagem que cabe perfeitamente em um papo de advogado para advogado. Contudo, palavras que podem ser bastante comuns no dia-a-dia do profissional do direito, nem sempre são acessíveis para um potencial cliente. Lembre-se que a forma como você transmite uma mensagem é tão importante quanto o que você fala.
Por isso, é importante saber dosar o vocabulário especializado e se comunicar com quem chega ao seu site de forma clara e acessível. Evitar os termos em latim, a citação excessiva de leis e jargões da área e traduzir os termo mais técnicos já é um bom começo. Afinal, seu cliente está procurando um profissional que resolva seu problema, e não uma aula completa de direito, certo? 🙂
Para sentir na pele a importância desse alinhamento na comunicação, tente pensar como o cliente. Imagine que você está com um problema elétrico em casa e resolve pesquisar na internet um bom profissional para resolvê-lo. Você chega na página principal e espera, além de um site bonito e intuitivo, informações claras que passem confiança de que aquele é um bom profissional, e não um vocabulário digno de livros de engenharia, não é verdade?

Escolha dos temas a serem abordados

Com a forma certa de se comunicar com o seu potencial cliente, é hora de entender o que eles querem encontrar quando procuram um site de advocacia.
Mais uma vez é fundamental olhar pela perspectiva do cliente e pensar os possíveis problemas que o fizeram chegar até você. Você pode explorar diversos temas que a sua especialidade abrange e transformá-los em um material educativo, que, além de útil, ainda demonstre a sua autoridade no assunto. Aqui também vale aproveitar os conhecimentos dos colegas e transformar isso em um trabalho em equipe. É possível, por exemplo, criar sites para advogados de forma colaborativa e abordar assuntos complementares. A ideia, com isso, é que cada profissional explore suas especialidades e ofereça aos visitantes diferentes propostas e soluções. Assim todo mundo sai ganhando!
Outro aspecto para se levar em consideração na hora de construir o conteúdo do seu site e do seu blog é o limite entre um artigo instrutivo e uma consulta gratuita. O objetivo de produzir materiais informativos é gerar curiosidade, interesse e também para se estabelecer como autoridade no assunto, mas sem entregar todo o valor do seu trabalho.

Saiba com quem você está falando

Um recurso que pode ajudar na construção dos temas a serem abordados nos conteúdos produzidos em seu site é saber mais sobre as pessoas com quem você está falando. Para que você consiga se conectar com seu público através dos conteúdos do site e captar esse cliente, antes você precisa saber quem ele é.
No início, isso vai ser um pouco mais difícil de definir com precisão. Sua área de atuação, localização e tabela de valores são um bom ponto de partida nesse momento. Depois, essas informações podem ser confirmadas ou alteradas com base na cartela de clientes, nas interações no site e no blog, nos seus seguidores nas redes sociais e em outros pontos de contato com o seu público.
Ter clareza de como são seus clientes – gênero, classe social, interesses, estilo de vida, os problemas que possuem – vai ajudar você a colocar todas essas dicas em prática, com linguagem e conteúdo focados em quem realmente quer encontrar seu escritório.
Agora que você já sabe quais as melhores práticas em sites para advogados, é hora de dar atenção aos outros detalhes. Entender o porquê de ter um site para seu escritório, conhecer os requisitos básicos para que o cliente tenha uma boa experiência na busca do melhor profissional para seu problema e até mesmo os limites éticos de vender seu peixe no mercado são os próximos passos.